quinta-feira, agosto 02, 2007

Simpatia, quase falta de educação

Minha última grande descoberta: a educação e a simpatia não moram na mesma casa. Na verdade, elas não são nem vizinhas. Moram longe, bem longe uma da outra. Brasileiro que se preza tem mania de confundir as coisas. Nem sempre somos educados – mas, quando somos, queremos logo oferecer o pacote completo. Cedemos o lugar para a velhinha no ônibus, ela agradece satisfeita, e nós logo perguntamos em que ponto ela vai saltar, aonde é que ela está indo, se a sacola está pesada – e, se duvidar, em pouco tempo estamos na casa da velhinha, tomando um café e conhecendo os netos. Isso, meu amigo, não tem nada, nadinha, a ver com educação. É só simpatia. E simpatia demais, dependendo do olho míope de quem olha, pode parecer até feio: quase falta de educação. A politesse pura e simples manda a gente ceder o lugar no ônibus. Ponto. Responder o que te perguntam. Ponto. Dar bonjour para todas as pessoas do mundo – mas de preferência ficar só nisso mesmo. E, surtout, nunca, jamais, interromper seu interlocutor (nem mesmo pra fazer hm-rum, concordando com ele). Eu penei, mas aprendi. A educação mora aqui na França. A simpatia, aí no Brasil.

15 comentários:

Felipe Campbell disse...

Discordo e repito o que disse antes: são todos mal-educados e antipáticos. Tratar mal quem te trata com simpatia é falta de educação. Dar respostas monossilábicas pode não ser exatamente falta de educação, mas está longe (eu acho ) de ser educação.

Francês é um bicho muito chato. E ainda insuportáveis proque sempre ganham da gente na Copa do Mundo. Que se lasquem!!!

BEijocas

Dante Accioly disse...

Hum... Tu tá começando a ficar meio antipática, cumade!
:) Saudade docês!

Kia disse...

Simpatia é quase amor....É o nome de um bloco de carnaval aqui do Rio. E vejo que tem muito significado este titulo né?.
Beijos
Kia

Dante Accioly disse...

Não sei se foi por acaso. Mas lê aí, Carol. É um texto da Germana, minha prima. Beijo grande.

http://perderdevista.blogspot.com/2007/08/solido-no-coletivo.html

Germana Accioly disse...

Carol! que coisa curiosa! falamos sobre o mesmo tema de forma tão diferente. Dá uma chegada no meu blog e vê a hostória que eu vivi justamente em um ônibus em Paris. Um beijo grande na família toda.

Anônimo disse...

depende, mana, depende...
Ju

Anônimo disse...

Discordo! O que vc descreveu como simpatia é a "folga", a indiscrição! Antipatia pode ser sim falta de educação. E cá pra nós, eles não são tão educados assim (vc não está um pouco deslumbrada, não?)... Essa coisa de ceder o assento para os mais velhos não é muito praticado por aí! Tem uns que fingem que nem vêem igualzinho a aqui no Brasil.
Ih, como já disseram, vc já está ficando meio antipática!

Eva Jucá disse...

Ai ai Carol, eu te entendo! heheh Só mesmo qdo moramos fora do Brasil entendemos essas coisas e começamos sim a agir de forma semelhante aos que moram no país que estamos.
Bjs
Eva

Little Girl Blue disse...

Oi Carol! Legal o texto. Meus pais passaram um ano em Paris em 96-97 e é isso ai mesmo... Ah! acho que eles vão passar mais um ano em 2008... Logo a minha mãe que adora conversa na fila do supermercado... E tome educação!

=)

Bjs,
Milena

Carol Nogueira disse...

Blog que se preza tem polêmica, né? Isso deve ser bom sinal...
Eu juro que fiquei chocada quando, empolgada numa conversa, tentava concordar com meu interlocutor e ele me tratava como se eu tivesse "interrompendo o raciocínio"... Diferenças culturais...

Ana Luiza disse...

Ei primoca!!
Descobri seu blog, e descobri q vc escreve pra vida simples! rs. como assim? revista mais "carolina" q existe! Adorei saber!

Li esse seu post e me lembrei: segundo dia de Alemanha, eu, ingênua como só, peguei um bondinho lotado, com mapa na mochila e uma dúzia de palavras educadas no melhor hoch deutsch que estudei 2 anos pra ter! Sentadinha, na cadeira, fui vendo a paisagem, observei uma senhora, velhinha ela já, em pé, com bolsas, sacolas, e dificuldade de segurar aquilo tudo no vai-e-vem do bondinho. Como de costume, me levantei e usei umas 3 ou 4 palavrinhas para oferecer meu lugar de maneira educada. A velhinha, que eu até então achei simpática, uma "senhorinha" como diria meu "eu" mineiro... se transformou em mais uma da longa lista de idosos da Alemanha que lotam os metros, os bondes, as cidades e são o fardo econômico do país. Ela era mais uma em um bonde lotado, que me olhou com cara torta e disse: "não, eu desço logo". Não teve um: "não, obrigado filha, já tô descendo, tá?brigadim!". Ahhh simpatia, simpatia está bemmm longe de educação na europa. E outra, simpatia no brasil soa mesmo como um falso cognato pra dizer educação em português! Fato é que mais tarde eu descobri ainda vários outros aspectos alemães nesse simples ato. A cara feia da senhora, não era só falta de simpatia, como sim, revolta. Porque eu teria de oferecer um lugar para idosos? Estaria eu falando: " sua velha, vc tá quase caindo ae porque não tem mais saúde, precisa sentar senão tem um ataque cardíaco, senta aqui minha filha, senão, você morre em cima de mim!" Pois é, e eu que achei que tinha praticado muitas frases educadas em alemão, acabei descobrindo que elas não tinham o exato significado que aprendi!

Adorei passar por aqui! Voltarei sempre, ehm??
beijos prima!!! saudadeeeeee!!!!!!

Mayra disse...

gatona,

finalmente te linkei no milk shake. agora não fico mais sem vir aqui nenhum dia... hehehehehe.

beijão e saudades.

Gisele Scantlebury disse...

Carol, não nos conhecemos, mas conheço o Alberto há zilhões de anos (pergunta a ele). Encontrei seu blog meio que por acaso. Curti muito.. estou aqui morrendo de sono, mas li até onde deu. Vou aprender sobre Paris com seus olhos, posso? Um beijo e fiquem todos bem por aí. =)

Rodrigo disse...

Pois acho que é exatamente o contrário. Ou não.

Anônimo disse...

Não sei se é exatamente simpatia, educação, mas tenho encontrado muita gente gentil por aqui: homens, mulheres que ajudam as pessoas a carregar carrinhos de bebês, oferecem lugar nos ônibus e metrôs, nos ajudam quando temos dificuldades para comprar alguma coisa nas farmacias, supermercados, etc...
Só acho que os franceses são meio impacientes, mas até compreendo que podem estar apressados ou estressados como nós tambem ficamos...Mãe