terça-feira, novembro 17, 2009

Ah, crescer...

No fundo, filho, eu te entendo.

Você faz uma confusão danada com essa história de crescer. Vira e mexe promete que vai fazer isso ou aquilo quando for pequeno, numa lógica tão paradoxal quanto verdadeira. Você ainda tem pela frente muito tempo pra ser pequeno, embora de vez em quando eu tente te convencer do contrário.

É muito bom ser gente grande, filho. Na verdade, eu achei bom ser criança, achei legal ser adolescente, achei ótimo ser jovem e continuo achando excelente ser adulta, principalmente depois que vocês chegaram. Tenho a impressão de que a vida não vai se cansar nunca de me divertir.

Só que... Só que sempre tem um só que.

E no meu caso, hoje, o só que fala de papéis, de trabalhos aborrecidos, de decisões difíceis de tomar, de compromissos assumidos sem convicção - de armadilhas que os adultos armam para eles mesmos, sem querer, sem perceber e, principalmente, sem saber porquê.

Amanhã vai mudar, filho, mas hoje eu estou achando que ser adulto é ser absolutamente livre pra ser absolutamente enquadrado. Pelo que você mesmo e a sociedade esperam de você.

Tem hora que eu também queria jogar minha linda cama vermelha no lixo e voltar pro meu bercinho.

9 comentários:

Kia disse...

Já no inicio vi que hoje vc queria colo.
Se sua mãe ler este texto vai querer a volta do concorde.
Esta na hora de sair de férias.
Beijos

Mariana disse...

é so impressão minha ou depois que a gente é mãe o tempo parece passar mais rapido???
eles crescem e a gente fica embasbacada como tudo aconteceu tão rapido...
lindo texto Carol!!!
bjuus!

Felipe Martins disse...

Droga!!! Não consigo me contentar com as entrelinhas...

jana disse...

Incrível...

sabrina disse...

vem aqui, vem. juro que aqui tem um abraço apertado, um cafuné no cabelo e o colinho de sempre. no matter why! ;-) beijo, com saudade, Sá.

Cris disse...

sou eu no seu texto...

Alécia disse...

Ai, Carolinda...

Emiliana disse...

Que "o amanhã" chegue logo...um grande abraço pra você

Nanda disse...

hoje eu estou achando que ser adulto é ser absolutamente livre pra ser absolutamente enquadrado. Pelo que você mesmo e a sociedade esperam de você.

Eu sempre acho isso