quarta-feira, março 03, 2010

Crise de identidade

Impulsiva. Eu diria bem direta. É grossa mesmo.

A conversa era sobre mim, numa mesa quadrada de boteco. Na presença de mim mesma, estarrecida, que, juro, não me reconheço nesses adjetivos.

O que fazer quando algumas das pessoas mais próximas de você têm uma opinião sobre você mesma tão diferente da sua? Sim, porque não eram transeuntes opinando. Eram tipo irmãs (todas), marido, melhores amigos.

Uma vez conheci um cara que ouviu de um amigo que ele era um banana. Ele mudou tão radicalmente que ficou meio chato. E eu preferia ele meio banana - bonzinho, eu diria - mas muito legal. Preferia antes.

Daí: a gente é de fato quem a gente acha que é ou quem acham que a gente é, finalmente? E quando a gente reage ao que acham da gente a gente se torna outra coisa ou no fundo é aí que a gente se torna a gente mesmo?

Ai. Acho que vou ignorar.

22 comentários:

Anônimo disse...

vc é linda, amada e divertida assim. se vc mudar um triz eu juro que vou aí puxar sa orelha: ô se juro!! beijão! Sá.

Leandro Wirz disse...

Talvez os comentários tenham sido bem diretos ou mesmo grosseiros e vc tenha sido impulsiva ao responder, via blog. Ah, ignore tudo isso.
Apenas seja você. A gente é o que pode.

Anônimo disse...

Os seguidores do seu blog que te nao te conhecem gostam de vc como vc é. E os seus postes revelam muito de vc. Ou sera que nao?
Juliana

Dante Accioly disse...

Não acredito que perdi esse boteco...

Anônimo disse...

Carol, o homem nào se conhece. Esta pergunta que voce se faz, ela poderá percorrer sua trajetoria. Aliás, é bom que percorra. Voltarei a tratar do tema com voce- se for de seu interesse.
Welcome to the adult club...

Anônimo disse...

Oi Carol, é meio bizarro se meter na vida de quem não conhecemos pessoalmente, mas só a través do mundo virtual. Eu já sofri muito por esse tipo de coisa que vc relata no seu post de hoje. No fim das contas, a gente vai aprendendo que às vezes é preciso não se preocupar com o que os outros pensam e dizem da gente. Mas a gente sofre.
um beijo grande,
Veronica

Anônimo disse...

Numa terapia de grupo, voce pode se espantar com a percepção que as pessoas têm de você. Tipo: nossa, mas esta sou eu??? eu atuo assim mesmo?? A visão das pessoas é delas: seus filhos te verào de um jeito, sua màe de outro, os amigos de outro,etc. Depende de como interagimos com eles, esta idéia/percepçào vai se firmando.É que agente se repete- sem perceber.
Mas e nós conosco, como fica? Bom, teremos
- o que eu aaacho que eu sou (meu ideal de eu, gerado e nutrido pelo narcisismo)
- o que eu ainda nào conheço de mim- a face escura, o monstro de dentes afiados, que me espreita para irromper conforme a circunstancia.
Dificil, esta vida....

Anônimo disse...

Quem falou gostari de ser como voce. O melhor seria ter ficado calado. Não se esquente Dinda

Marisa Muros disse...

Gosto do que vejo de vc. por aqui...Do jeito que vc.conta coisas sobre seus filhinhos...Mas na verdade, concordo com anônimo àcima: cada um verá vc. de uma maneira, e vc. nunca saberá exatamente como é para os outros!
Se souber como é para vc. mesma, acho que já será grande coisa! No final, temos que ser legais para nós mesmas, ficar em PAZ com nossa consciencia...Desculpe a intromissão...

Anônimo disse...

Cáqui, você realmente tá levando isso a sério? Tô ficando preocupada! :-p No fim das contas você sabe que tudo pode ser visto como um elogio, não sabe? (Lembra da nossa conversa na praia, agora a história mudou de lado!!) Mas o mais importante foi o que eu já disse: ai de você se mudar meio milimetro!! Te amo! :)

J.F. de Souza disse...

Olha... Já aconteceu algo assim comigo (alg)uma(s) vez(es), esse ouvir de pessoas que convivem contigo adjetivos que, num primeiro momento, parecem que não nos cabem.


Mas... E se cabem? No meu caso, vários cabiam.


No fim, esses "toques" nos ajudam a olhar pra nós mesmos de outra forma. E isso pode ser interessante. =)


Prazer em conhecer! =)

Anônimo disse...

Ai, Carol, ando na mesma angústia... com uma chefe que me vê de uma forma e eu me vejo de outra... :-( Precisamos nos encontrar e conversar. Que tal quinta-feira à noite? :-) Sandra

Denise e Zé Guilherme disse...

hehehhe... isso tem acontecido MUITO comigo ultimamente...
tô pagando de grossa também!
na verdade acho que essas opiniões dependem muito mais do interlocutor do que da gente mesmo.
outro dia peguei meu cunhado falando bem da minha "grosseria", enfim...
beijos.
Denise

Fernanda Copelli disse...

Olá, Carol

Só para dizer que ameiii o seu blog e os seus textos. Hoje foi a primeira vez que eu entrei.

Parabéns pelo site!

Estou morando em Paris há 2 meses e
cheguei até o "Le Croissant" através de um blog do Globo Online (um post que falava sobre a matéria que você escreveu da exposição "Cuide de você").

Coloquei uma sugestão para os leitores do meu blog virem visitar o seu :o)

Bjos,

Fernanda Copelli
fcopell@gmail.com
www.nandoenandaemparis.blogspot.com

Emiliana disse...

Oi Carol! Estão de volta!
Sabe que seu post foi interessante....Eu acho que essa nossa convivência diária com nós mesmos nos torna viciados em alguns "defeitos"...Então, pelo menos pra mim, é importante uma referência externa sobre algumas atitudes minhas que não consigo mais captar! Principalmente se os comentários vem de pessoas da minha confiança! Na minha vida esses comentários, ÀS VEZES, me ajudam a refletir e dar uma reciclada interna. Um grande beijo a vc e seus pequenos.

déborah disse...

eu acho engraçado porque quando a gente disse que você é grossa não dizia (pelo menos eu não dizia) que é uma coisa contundente ou ruim.. você é grossa de um jeito doce, como se aquilo que você diz fosse óbvio, e na maioria das vezes, as situações em que você é grossa são engraçadas! não acho essa "grosseria" ruim, acho só que é um pedacinho doce que te faz ser você.
mais do que ficar pensando sobre esse tema de 'como-eu-sou-e-como-os-outros-me-vêem' eu fico pensando e achando graça de como uma coisa pode ser dita tão despretenciosamente por um e virar uma grande questão na vida do outro! essa vida é bizarra, né?
tô com a sá e te amo desse e de qualquer jeito! :)

Felipe disse...

Você é uma mistura de tudo. O lance é ter discernimento para refletir sobre alguma característica negativa que atribuem a você e ver se isso é realmente algo negativo ou algo que por um motivo ou outro (as vezes inveja ou implicância) incomoda a outra pessoa, seja ela sua amiga, amigo, marido, irmã, etc.

Porque querer por querer, todo mundo tem algo a acrescentar ou mudar nos outros. Não dá pra levar sempre a sério.

Independente do jeito que você se sinta ou seja, você é assim e eu gosto desse jeito.

Beijocas

Aécio disse...

Minas são muitas

Anônimo disse...

Eu não acho você grossa. Humpf. O que eu queria dizer é que já me deram adjetivos que eu só acho que passei a ser depois que me falaram. Antes eu não era. Complicou? Beijo com saudade. Bella

Ana Pereira disse...

HAHHAHAHHAHAHHA AMEIIIIIIIIIIII ESSE POST!!!!!!!!!! Te amo demais Carol. Por exatamente posts assim. E por ser essa coisa LINDA q vc é prima, te adoro!

Fisioterapia disse...

oww Tia...tu num sabe q te adoro... vc n é grossa..é realista... peco no meu modo de falar. Uns interpretam como grosseria..mas apenas falo o q penso e, nem sempre agrada as pessoas. Atualmente, são acostumadas a escutar o que querem, que passem a mão na cabeça..Mas é mais ou menos isso...nunca mude o seu jeito.. beijo enormeeee..

Agatha

Paula Garcia disse...

Eu costumo fazer uma avaliação muito ruim de mim mesma. Não consigo aceitar elogios e sempre acho que o que as pessoas falam de mim é mentira!
Nenhuma das impressões é 100% verdadeira... acho que somos a soma de várias impressões: a que temos de nós mesmos + a que as pessoas que nos conhecem têm de nós + a impressão que as pessoas que não nos conhecem têm de nós + as características daquela pessoa que gostaríamos de ser e não somos. Bom blog! ;)