sábado, fevereiro 26, 2011

Cine privé


É dentro de um shopping popular, colado a uma das maiores estações de metrô e RER da cidade, que funciona um dos meus pedaços de paraíso em Paris: o Forum des Images, uma cinemateca linda e acolhedora que conta a relação de amor da cidade com a sétima arte.

Foi primeiro como mãe que eu me apaixonei por esse espaço. O clube dos jovens pais é uma iniciativa que me emociona: as salas são adaptadas, com som mais baixo e luz indireta, para os recém-papais irem ao cinema com seus bebês! Sem falar na programação especial para crianças todas as quartas e sábados e uma série de festivais temáticos.

As salas dos adultos também têm programações temáticas, por assunto ou diretor, que funcionam como mini-festivais permanentes - e a cereja do bolo: uma sala de coleções onde, por cinco euros, você pode passar até quatro horas no seu cineminha particular, assistindo tudo o que há no catálogo (o que quer dizer tudo o que você já ouviu falar em cinema francês e uma boa parte dos clássicos em geral).

Eu sempre sonhei em alugar a salinha para pequenos públicos (até oito pessoas) e fazer uma sessão de cinema privé entre amigos. Para o test-drive, convidei meus dois pequenos para uma sessão da tarde nas férias de inverno.

Eles chegaram animadíssimos com o ambiente futurista da sala de coleções mas um pouco decepcionados por não haver nenhum episódio do Ben10 no catálogo. Mas aí a gente foi navegando, navegando e... de repente lá estavam eles, curtindo adoidado Carlitos. O preferido da nossa matinée, para minha surpresa, foi este filme de 1913, mudo e em preto e branco.

Quase cem anos depois e ainda funciona.


8 comentários:

Amanda disse...

Nossa, que otima ideia! Nem sabia que isso existia! Paris sempre surpreende a gente, né? Super topo, caso eu esteja na sua listinha :)

Augusto Branco disse...

SER MULHER

Ah, ser mulher!

Ser mulher é ver o mundo com doçura,
É admirar a beleza da vida com romantismo.
É desejar o indesejável.
É buscar o impossível.

O poder de uma mulher está em seu instinto
Porque a mulher tem o dom de ter um filho,
E cuidar de vários outros filhos que não são seus.

Ah, as mulheres!
Ainda que sensíveis
Mulheres conseguem ser extremamente fortes
Mesmo quando todos pensam que não há mais forças.

Mulheres cuidam de feridas e feridos
E sabem que um beijo e um abraço
Podem salvar uma vida,
Ou curar um coração partido.

Mulheres são vaidosas,
Mas não deixam que suas vaidades
Suplantem seus ideais.

Muitas mulheres mudaram o rumo
E a história da humanidade
Transformando o mundo
Em um lugar melhor.

A mulher tem a graça de tornar a vida alegre e colorida,
E ela pode fazer tudo isto quantas vezes quiser
Ser mulher é gostar de ser mulher
E ser indiscutivelmente feliz
E orgulhosa por isso.

- Brunna Paese -

Bel Butcher disse...

Carol, inspirado (dizem, mas nunca vi aí) nos cinemas parisienses (ou será que a inspiração vem só do forum les halles?), os cinemas cariocas tem a sessão materna, onde as mães e os pais também, claro, podem ver um filminho enquanto a prole dorme ou rola num espaço aberto. O som é mais baixo, ninguém reclama de chororô e a sala é um pouco mais clara para possíveis emergências com os pequenos.

Camilinha disse...

É verdade, o Cine Materna (www.cinematerna.org.br/) já está disponível em algumas cidades, mas nada como ter uma sala só sua!!!
Glamour total!!!

FeFêTor4 disse...

Eu já leio o teu blog faz bastante tempo, desde que encasquetei com a idéia de morar uns tempos em Paris, a idéia acabou ficando meio de lado (por enquanto!) mas o teu blog, os teus desenhos tão singelos e delicados e as tuas dicas eu venho guardando comigo!
E essa última eu a-mei!!! Valeu!

Renato disse...

Excelente dica!

Leandro Fortes disse...

E vc ainda pensa em voltar para Brasília, onde nem o Cine Academia existe mais...

Renato disse...

Nem o cinema do aeroporto...