terça-feira, agosto 02, 2011

As quatro primeiras horas


As quatro primeiras horas de qualquer viagem que a gente faça a quatro são um inferno. Num resort, num Ibis, na praia, na chuva ou na fazenda. Final de semana passado foi numa cabana.


O banheiro era químico. Os meninos queriam o bolinho que estava no porta-malas do carro - e não o que estava na sacola. A porta da cabana não fechava. A roupa de cama ocupava duas mochilas adicionais, além das quatro que nós dois já carregávamos. Aranhas. Vespas. Mariposas.


Vencido o prazo de validade do stress inicial, joaninhas. Cogumelos no chão. Passarinhos. Cinco sacolas couberam em uma apenas, mais organizada. Piscina. Sol. Picolé. Parquinho. Livros, preguiça, beijinhos. E de noite, lanternas, explorações no escuro, velas e historinhas até dar sono. 


É uma questão de sistemática, de adaptação. Demorei alguns bons anos pra entender isso, mas agora eu só respiro fundo e espero. As férias começam com quatro horas de atraso.

3 comentários:

Tatiana disse...

Adorei!

Cibelle disse...

Eu ainda estou começando a aprender. Fiz duas viagens com o Heitor, uma de avião e para um hotel, onde ele foi atacado por muriçocas. A outra de carro e para a casa dos avós - praticamente levei o quarto dele inteiro no porta-mala (o berço portátil continua na casa do vovô e da vovó porque, por alguma razão ainda indecifrável, não coube na hora de voltar). Então, espero ansiosa por essas quatro horas de atraso e vários dias de curtição. :)

Felipe disse...

Hahahaha.... Eu não tenho a menor paciência para acampamento.... A graça acaba quando você tem que ir ao banheiro. Beijocas