segunda-feira, outubro 24, 2011

Coisas de que vou sentir falta, parte II - A escola


- A escola dos meus filhos fica a cem metros da minha casa. E isso não é coincidência. É política pública.


- Eu não pago nada por ela. Ah, não, minto. Pago. Trezentos euros, o bimestre, pelos dois. E esse é o preço do almoço - se eles almoçassem em casa, eu não pagaria nada.


- O almoço na escola é composto de entrada, prato principal e sobremesa. Todos os dias. E o Pedro diz que ele prefere mil vezes a comida da escola do que a de casa (o que talvez seja um problema meu!).


- As aulas são de 8h30 às 16h30.


- Às quartas-feiras não tem aula. Muitos pais trabalham só quatro dias por semana e, na quarta, acompanham as crianças em atividades, como esportes, artes e música.


- Professoras dedicadas, super profissionais, carinhosas. A do ano passado diagnosticou uma otite crônica no João que nem eu nem o pediatra dele tínhamos percebido.


- Dois recreios por dia.


- Conteúdos que os meninos estão aprendendo agora, nas palavras deles: o corpo humano, a letra A (em cursiva, mamãe!), a letra D, os planetas, o ursinho que tem no Museu d'Orsay, os números, como faz para escrever um livro, o outono e as poesias.


- Eles estudam com crianças italianas, vietnamitas, armenianas, chinesas, tunisianas, argelinas, mexicanas, espanholas, portuguesas, alemãs, britânicas, congolesas, da Costa do Marfim e... francesas. De filhos de empresários a crianças que vivem em abrigos da assistência social.


- Meus filhos brincam de cozinha com as amiguinhas deles. E elas jogam futebol com eles.


Eu adoro a escola dos meus filhos, antes de tudo, porque ela é pública. Me emociona dar a  eles a oportunidade de conhecer o conceito da coisa pública de uma maneira tão bonita. E quando eu vejo uma coisas como uma lista de material escolar dividida por gênero, sinceramente, me dá muita certeza de que eu vou sentir muita falta dela.

22 comentários:

Chéri disse...

Eu penso o mesmo da creche da Louise (e de tantas outras coisas que adoro por aqui). Mas eu acho que a solução é simples: pararmos de nos fixar nas coisas das quais vamos sentir falta e começar a lembrar do que vamos adorar reencontrar no Brasil - e que não tem por aqui -, a começar pelo calor, em todos os sentidos da palavra.

Beijos!

feq disse...

oi carol,

tô aqui acompanhando de perto sua despedida!

eu leio sempre o blog de uma mulher muito legal chamada Paloma Váron. Ela mora em Brasília e optou por colocar a filha dela mais velha na escola pública e está adorando a experiência. Quem sabe você não troca umas figurinhas com ela: http://fotocecilia.blogspot.com/

beijo

Tamine disse...

Concordo com o Daniel! Mas escola é foda né? É onde nossos filhos passam a maior parte do dia, da curta vida deles! Pensar que existe uma lista de material como essa do Marista (por que sempre trezentos quilos de glitter??) me dá uma certa depressão também. E nem quero pensar no naipe das "educadoras"!
Beijos!
Tamine

Mariana disse...

Compartilho Carol. Antecipada e intensamente!

bjus!

Natália disse...

Me falou ao coração: pela escola pública e pela divisão de gênero tão absurdamente precoce na educação aqui: nas escolas e nas famílias. Isto deve explicar muita coisa...

Carol Nogueira disse...

Fê, eu adorei sua dica. Fiquei impressionada com os posts dela sobre a escola publica, mudou muita coisa na minha cabeça. Muito obrigada!
Dani e Tamine, é claro que, quando chegar no Brasil eu vou focar nas coisas boas de lá. Mas por ora eu QUERO sofrer. Eu já tinha avisado isso!! :)
Um beijo pra todos os outros queridos que estão me dando forrrca nesse momento!

Rita disse...

Vai, Carol, vai sim. Talvez seja a coisa de que você mais vai sentir falta. Prepare seu coração. E tomara que eu esteja errada e você tenha uma baita sorte de ter algo razoável ou até mesmo bem bom no bairro onde você vai morar no Brasil. Mas vai ser só isso: sorte sua.

beijo
Rita

caso.me.esqueçam disse...

menina, agora ate eu fiquei com inveja desses meninos. eu queria dois recreios por dia :/

Anônimo disse...

Senti falta do Pepê, só vi o Juju, bjs tivó

Anônimo disse...

Oi Carol! Compartilho tanto do que vc está sentindo (em relação a vários posts sobre sua despedida de Paris). Só não sei escrever tão bem quanto vc :(

Se você se espantou com a lista do Marista (que sim é espantosa por inúmeras razões), vc não vai acreditar nos uniformes deste colégio (que estive pesquisando pra Alice porque uma amiga colocou sua filha lá): http://www.arvense.com.br/2011/images/stories/UniformesInf1e2.pdf
Uniforme masculino e feminino? Básico, fashion e vanguarda? Para maternal 1?? Estamos ficando loucos? Definitivamente, não é o quero para Alice.

Já conhecia o blog da Paloma (por meio de uma amiga de Barcelona) que colocou a filha em escola pública e também estamos pensando nisso.

Mudando um pouco o assunto, dá uma olhada neste vídeo lindo: http://www.nowness.com/day/2011/10/17/1640/spike-jonze-mourir-aupres-de-toi

Beijos e nos vemos em Brasília,

Bia

Anônimo disse...

Carol, sei o que vc está falando... Sou franco-brasileira e sempre estudei em escolas francesas, seja aí em Paris ou aqui no Brasil. As escolas públicas daí são mesmo muito boas. Aqui tem algumas que também são. vale a pena pesquisar... Abraço e boa sorte!

Anônimo disse...

Carol, sei o que vc está falando... Sou franco-brasileira e sempre estudei em escolas francesas, seja aí em Paris ou aqui no Brasil. As escolas públicas daí são mesmo muito boas. Aqui tem algumas que também são. vale a pena pesquisar... Abraço e boa sorte!

Natália disse...

Carol, fiquei tão emocionada com seu texto que escrevi um comentário antes todo mal feito. Também sou de Brasília (e morei em Paris por um breve período há muito tempo) e também tenho filhos pequenos. A questão da escola pública e a marcação meninos x meninas desde tão cedo na educação realmente rendem muita conversa e nos fazem pensar muitas coisas. E é muito angustiante. Principalmente para esta idade - depois da pré-escola/ jardim de infância, as opções em Brasília são beeeem limitadas.
Olha aí: você já tem bons temas para um novo blog, quando voltar à terrinha.
Abraço,
Natália

Natália disse...

Carol, fiquei tão emocionada com seu texto que escrevi até mal antes. Também sou de Brasília (e morei muito brevemente em Paris há muitos anos) e também tenho filho pequeno. A questão da escola pública e a marcação meninos x meninas desde muito cedo na educação no nosso país sempre me angustiaram. Além do blog da Paloma, veja este: desescolariza.blogspot.com
Abraço

disse...

Carol, quando leio essas coisas, fico me perguntando se devo realmente voltar para o Brasil... a familia faz uma falta tao grande, mas sao tantas coisas boas que existem aqui, sobretudo para as nossas crianças!

Bom, torço para que vc encontre uma otima escola para os meninos!

Um beijo,

Luiz disse...

Adoraria, mas não acredito na Escola pública no Brasil! Sei que tem valores, mas se atrasou em diversos aspectos, inclusive no político! Há uma nova proposta em Brasília, ainda não tem site na Internet. Chama-se Colégio Seriös (902 Sul).

Eliane disse...

Sabe de que vou sentir falta quando eu voltar a Paris? Do aconchego gostoso de um certo apartamento no Boulevard Exelmans... e de brincar com os meninos nos parques do 16ème...

Renato disse...

E pensar que Brasilia foi concebida oara ser um pouco assim, com empregadores e empregados morando perto, convivendo junto. E hoje vivemos num apartheid. Felizes do Pepe e do Joao de terem os pais que tem.

Felipe disse...

O mais legal não tá na ideia central do texto, mas nas entrelinhas: ela já fala abertamente e com resignação em "voltar ao Brasil". Ou seja: nada de sair procurando outro lugar para ir. É egoísmo sim, mas enquanto você vai curtindo seu sofrimento aí, eu vou contando os dias aqui hehehehe...

Beijocas

Marco disse...

=(

Helena Saria disse...

Oi carol, meu nome é Helena e moro em Belém. Sou metade espanhola e metade brasileira, e já passei um bom bocado da minha vida aí, então me solidarizo contigo e entendo td pelo que passas. Tenho uma filha de 12 anos que tb fala espanhol tão bem como português e sente muita falta da europa, no entanto tb gosta da vida no Brasil e assim vamos levando. Agora tô lendo tuas postagens de trás pra frente e me emocionando com cada uma delas. Passei 1 mês a trabalho em paris há uns 3 anos atrás e me apaixonei por essa cidade tb, lindo blog, belas fotos. Virei fã! Bjs.

Anônimo disse...

Em Brasília, a escola Maria Montessori, com certeza é uma das melhores opções para o ensino infantil, vale a pena fazer uma visita. Minha pequena estuda lá e estou gostando bastante do método.