quarta-feira, julho 29, 2009

Transtorno obsessivo-monográfico

Eu podia dizer que foi o voo 447. Ou as aulas que resolvi dar. Ou a correria das visitas. Ou, na mais convincente de todas as desculpas, os meninos.

Mas não foi nada disso. Acontece que eu só sei trabalhar com prazo. Ou melhor: com a sensação boa-ruim do prazo escorrendo lenta e implacavelmente, a areia escorregando rápido-devagar por um furinho do tamanho da cabeça de um alfinete. Aí, sim, eu vou.

Estou internada na minha monografia. Tenho estado tanto com a Lygia Fagundes Telles que me pego citando as personagens dela. Digo ai, meu Pai! e ando comendo as pelinhas das unhas. E rio sozinha quando falo que poderia ficar repetindo infinitamente infinitamente.

Estou me divertindo, claro. Mas também um pouco desesperada. Fico me perguntando por que é comigo tem que ser tudo sempre aos quarenta e cinco do segundo tempo. Ainda bem que eu sou Flamengo.

16 comentários:

Felipe Martins disse...

Isso quer dizer que você vai ficar pagando micos internacionais, ficará arrogante, não conseguirá produzir mais nada relevante e ganhará a antipatia de todos a sua volta?

Carol Nogueira disse...

Não. Isso significa que, apesar do sufoco de sempre, eu vou ser campeã. Ai. Assim espero.

Gigi disse...

Carol, te entendo perfeitamente! Tmb sou 45 do segundo tempo (ainda mais produzindo de casa como estou agora). E tmb sou flamengo e tmb tenho que ouvir piadinhas infames...
;-)
Boa sorte, vai fundo que sai melhor do que vc esperava e no fundo, no fundo, um pouquinho de desespero até ajuda a produzir! bjos

Internauta Véia disse...

Tb. sou assim, Carol...tenho até uma tirinha do Calvin e Haroldo ( do Bill Watterson)onde Haroldo diz para Calvin:"Na verdade, vc. só trabalha sob pressão! e Cavin responde:Deste modo o trabalho fica pior, mas mais rápido!"
Sei que é difícil, mas cuidado para não ficar muito em cima da hora,ok?

Chéri disse...

E eu que costumo ir pra prorrogação?
Beijocas!

Leandro Wirz disse...

Carol, L.F.Verissimo (que é colorado e não rubro-negro como nós)tem uma frase com a qual eu tb me identifico mto: " Minha musa inspiradora é o prazo fatal."
Eu tb funciono assim. E viva a pressão! Depois, vem o chopp da vitória.

Ricardo disse...

GOLAÇO!

Felipe Martins disse...

O problema é quando vc perde na prorrogação com morte súbita!!!

Blog da Mulher Necessária disse...

parabéns pelo blog e pelos textos no site do Noblat. fui a Paris em maio, pela primeira vez...vou voltar , me apaixonei...o que não é grande novidade...todos se encantam, né?
abraços cariocas
Cida Torneros

Gigi disse...

Ah, e por sinal, suas palaroides estão lindas!

belbutcher disse...

Talvez seja um "mal jornalístico". Jornalistas são assim...

Eu também estou correndo contra o tempo com o mémoire. Mas você me deu esperanças. Apesar de jornalista, também sou flamengo.

só espero que, aos 40 do segundo tempo, não venha nenhum mané fazer gol de barriga na minha área!

Boa sorte.

Anônimo disse...

Carol,
Você nao é a unica. E compreendo totalmente a "delicia" e o "desespero". Acordo e vou dormir pensando. Sonho com isto. E vale a pena! Você vai arrasar. Tenho certeza.
Abraço e bon courage!
Juliana
ps: Eu quero ler este mémoire sobre a Lygia Fagundes Teles. Tem jeito?

Mariana disse...

A pressão pode até ajudar a produzir, mas sem duvida ajuda ainda mais o desequilibrio mental e a vontade ininterrupta de arrancar os cabelos todos da cabeça!!! também estou no ultimo tempo e parece que não vou chegar nunca ao fim da partida! E como vc, sou mãe e a culpa de deixar a filhota sozinha me assombra durante os estudos e me faz desistir mais cedo daquele texto terrivel de ler...
Fazer o quoi né? Navegar é preciso, viver não!
courage à nous!!!

Ana Chalub disse...

liga não! isso é mal de (nós) jornalistas... besos!

Anônimo disse...

Além de jornalista, vc é filha da D. Didi...
Deu no que deu!
Uma pessoa com o coração enorme, inteligentíssima e que faz muita falta aqui no Brasil...
T amo!
Ju

MMS disse...

Nah moça, fica tranquila.

Vai ser assim, sempre.
To qualificando o meu mestrado aos 45 do segundo tempo.

E as pelinhas das unhas também já foram embora.

E eu também defendi a monografia aos 45 do segundo.. deveria ter aprendido algo.


Acho que faz parte.
Boa sorte!
Maurício