quinta-feira, outubro 14, 2010

O Anônimo

Você recebeu um email falando bem ou falando mal da Dilma ou do Serra logo depois do primeiro turno das eleições?

Eu recebi.

Eles estavam assinados por uma Jussara Maria dos Santos, Miguel Antônio Ribeiro ou algo que o valha – que muito provavalmente não existem.

Eles eram bem-escritos à beça, sem erros de português, contundentes, e imitavam com perfeição o que dizem meus amigos (que existem de verdade) engajados militantes de um lado e de outro. Só que com muito mais competência.

Eu, que já trabalhei em jornal e em partido político, sei que esses emails partiram das campanhas dos candidatos. Mas pelo que vejo nos comentários das pessoas que fizeram com que eles chegassem até mim, quase ninguém se dá conta disso.

Num primeiro momento, fiquei pensando por que diabos, tendo partido de campanhas milionárias e tendo sido escritos por pessoas altamente capacitadas em marketing, esses emails têm uma formatação tão banal, com umas cores meio bregas, uns sublinhados ridículos, uns negritos patéticos, uns pontos de exclamação exagerados… Por que diabos eles não são profissionais como são seus autores?

Só que eles são justamente. Profissionalíssimos. Marketing, beibe. De ponta.

Precisei ver o filme do facebook pra entender a importância do anônimo na nossa sociedade.

Muito mais do que os especialistas bambambans nisso ou naquilo, imensamente mais do que os líderes do que quer que seja, nós queremos saber o que os anônimos têm a dizer. O fulano. O cara que é amigo do amigo.

É isso que muitos de vocês estão fazendo aqui. A maior parte dos meus leitores nunca me viu na vida. Mas por algum motivo misterioso, que tem tudo a ver com essa nossa sociedade contemporânea, vocês gostam de ler o que eu escrevo – que nada mais é do que meu universo particular. Alguns até gostam de mim – viraram meus amigos de email e de vida real.

Preciso dizer que, com esses anos de blog, eu aprendi a respeitar profundamente os anônimos. A escutar o que eles têm a dizer. A segui-los, quando acho que eles têm razão. E a deletá-los, quando abusam do anonimato.

Mas eu sou uma old school. Ainda acredito mais em quem tem nome e sobrenome. E uma fotinho de preferência – onde eu possa clicar: curtir.

19 comentários:

Anônimo disse...

para quem anda a "fazer análise" (talvez demasiados le croissants virtuais cheios de arrogância?)ainda tem muito para limar em si mesma.beibe.

Anônimo disse...

ps. óh já agora faz uma dissertação sobre anonimato, voce é uma menina perita em opiniões e dissertaçoes, devia escrever pra um jornal. ser directora de marketing.ser escritora de sucesso.ser a grande carol, a que quer à força ser reconhecida e faz de tudo pra isso, depois tem raivinhas e choro, sempre defendida de bobeira intelectual, a que fica de brincadeira com pincelinho e corzinhas, a new artista que pareçe mesmo é ter jeito para jardim de infancia.

Carol Nogueira disse...

E ha, claro, os que detestam o que eu escrevo e que vem aqui mesmo assim, over and over. Tinha esquecido desses, desculpa.

Helena disse...

Talvez a gente goste de ler os anônimos que têm algo em comum ou que possam nos trazer novas ideias, novas visões. Eu te leio de vez em quando, concordando ou discordando, porque também sou jornalista e porque já morei na França.

Tamine disse...

Poxa, vc tem comentaristas meio mau humorados, hein?
Eu tb estou doida pra ver o "filme do Facebook". Também estou gostanso muito dessa alcunha pro filme "do facebook".
Bjs!

Renato disse...

Gostei do desenho.

Papai Enrique disse...

É interessante que as pessoas quando estão frente a frente com aqueles que expoem uma opinião, normalmente utilizam cordialidade e respeito, tentando confronta-los com argumentos, porém vemos que se pudessem valer do amigo "Anônimo", logo mostrariam a verdadeira face, cheia de ironia, ira, preconceitos, etc.
Por que será que as pessoas não tem coragem de expor a própria face quando querem ofender os outros? Talvez porque no fundo, saibam que estão fazendo algo errado.
Coitado do “Anônimo”. :)

Ivanzinho disse...

Querida Carol,

Vi um texto seu sobre a greve, no blog de Noblat. E adorei.

Aí lembrei que vc tem esse blogue, li uns três quatro textos e também adorei. Aí resolvi comentar e percebi que você, como eu, também tem um par de trolls que entram no blogue só para o exercício insalubre de esculhambar anonimamente.

Mas que bela visita:) Cheiro eu vc e nos teus homens.

Anônimo disse...

Porque que te leio?
Te conheci pelo Noblat.
Depois, com a possibilidade de passar uma temporada em Paris, comecei a ler seu Blog.
E gostei do seu estilo.
Simples assim.
Pq que fico anônimo?
Sei não!
rs
Ab.

ricardo disse...

no meu perfil do facebook eu coloquei uma frase daquela velha canção da Carly Simon ( você não era nascida...) you're so vain ( you probably think the song is about you...) Quando li que você disse que tem gente que nunca te viu e se tornou amigo de email e de vida real , eu , tão vaidoso, acho que você está falando de mim...rsrsrs Liga não Carolina, tem anônimo prá tudo nesse mundo.E vamos em frente ! Bj

Cabri disse...

olha, em quase uma década acompanhando blogs anonimamente por aí nunca tinha sentido que um blogueiro falava tão diretamente comigo como nesse post. me senti até na obrigação de sair do anonimato pra dizer isso!

Anônimo disse...

E vc vota em Dilma ou Serra?

Cristina disse...

Carol, acabo de me dar conta que já tem alguns anos que espero ansiosamente pelas atualizações do blog.

Desde que fiz minhas malas para morar em Paris, durante a minha permanência e agora de volta ao Brasil, é você quem consegue expressar com precisão e talento as minhas experiências por aí - e eu acho isso incrível.

Ultimamente tenho torcido por textos cada vez mais longos e estes nunca me decepcionam.

Daí quando um anônimo fala tanta bobagem a respeito do seu trabalho e me dá uma vontade doida de te defender, percebo: há tempos você não é anônima para mim.

Beijos,

Cristina

Caso me esqueçam disse...

ja disse isso em algum blog, nao sei qual: acho que fui a unica brasileira que nao recebeu email falando bem ou mal de dilma/serra.

reh! sorte!

maaaaas... hoje tinha um pequeno email reproduzindo um texto do arnaldo jabor (eh, as pessoas ainda usam o cara pra isso) falando que o brasileiro nao eh um povo trabalhador, que a favela brasileira zzzZZZZZZzzz aih eu dormi na metade.

sidneif disse...

Eu a "conheci" no blog do Noblat. Virei fã dos textos. Tanto que lhe fiz um convite para escrever no meu blog, na seção ler faz crescer.

De início você o aceitou, entretanto, não se depois surgiu alguma dúvida sobre mim.

De qualquer forma respeito sua posição. E continuo a admirar seus textos.

Um grande abraço!
Sidnei

Renata disse...

Cheguei a seu blog através do blog 13 anos depois e tenho o seguido, gosto muito do seu jeito de escrever e já adotei o seu post "o mundo lá fora" como meu hino, imprimi e colei na minha agenda (igual a adolescente...)rs.

Sobre política, segue um texto nada anônimo, do meu marido (que modéstia a parte, escreve super bem), acho que irá gostar:

http://aterceiramargemdosena.opsblog.org/

Tania regina Contreiras disse...

Adoro anônimos. Mas não anônimos covardes, que só falam o que falam porque estão protegidos.
Beijos,

Leandro Wirz disse...

Carol, tem horas que a gente não quer o especialista. A gente quer o cara ao lado, o cara comum, como a gente - anônimo ou conhecido - falando o que pensa. A opinião do cara ao lado conta muito nos discursos persuasivos.

Freud faria bem ao anônimo(a) azedo(a) que inaugurou os comentários a este post. Direito dele(a) externar a opinião que quiser, mas se não gosta de croissant, por que vem aqui?! Gente esquisita...

Mariana disse...

Eu te conheço pessoalmente hehehehe e adoro o seu blog! E na web, assim como na política, assim como no mundo todo, existem as divergências de opinião. Ainda bem...mas, de qualquer forma, "gentileza gera gentileza."
Beijos
Mari