sexta-feira, abril 22, 2011

Que a sua mão direita...



Canhota orgulhosa de sê-lo, me dobrei ao professor de violão que, aos doze anos, me convenceu a não embarcar no instrumento de cordas invertidas. Você vai chegar numa festa, vai querer tocar e não vai poder - pensar que um argumento tão idiota me quebrou as pernas.

Dei duro ali até que entrou - se você quiser chamar de "entrou" o fato de eu saber fazer meia dúzia de acordes e tocar uma bela canção desconhecida de toda a humanidade (que nunca bebeu comigo). Hoje nem conseguiria tentar pegar num violão invertido - o tradicional já me encaixa.

Eu faço aulas de piano para acompanhar meu filho. Sofri para aprender meia dúzia de canções infantis com a mão direita (que é por onde tudo começa, como obriga a ditadura dos destros). E sonhava com o dia de poder tocar com as duas mãos - contava com a minha carta na manga.

Como previsto, a mão esquerda entende o ritmozinho e desembesta. Mas daí a direita... tem ciúmes.

Cansada de saber da melodia, ela quebrou desde que a mão canhota desembarcou no piano. As duas não se entendem de jeito nenhum.

Quer dizer, tem um jeito: não pensar em nada. Nem nas notas, nem na partitura, nem no que eu estou fazendo ali. De olhos fechados de preferência, quando eu finjo que saí da sala, as duas se entendem por alguns instantes e, entre milhares de repetições, uma pelo menos sai correta.

O diabo é que, quando eu volto, recomeça a briga.

5 comentários:

Dandara disse...

é a mesma coisa quando eu durmo ou acordo. quando eu me sinto bem ou mal. de segundos em segundos.

Natascha Curi disse...

Oi! De repente cheguei até seu blog. Posso palpitar, já palpitando? =)
Eu sou canhota! e sou super orgulhosa por ser. Eu sou pianista! formada em conservatório e todas a pompas. Sofri com o sofrimento das tuas mãos. Mas ó, se te serve de consolo, fala o seguinte para suas mãos: mão direita: vc dá a melodia à música, vc enfeita, vc deixa lindo e faz cantar. mão esquerda: vc é o alicerce. sem vc a melodia não flui 100%, a canção fica fina e incompleta. vc vem para fortalecer e , assim, dar vida a uma música tão aclamada!
Nós sempre começamos a estudar o bendito do piano pela mão direita, pq é a parte mais fácil. e pra gente "maquiar" a música e fazer com que gostemos do que ouvimos, botamos a direita em ação. porque, né, quem merece só ouvir os acordes fortes e estrondosos da mão esquerda primeiro?! quando juntas, uma completa a oura. (eu dizia, qdo criança: a parte de cima e a parte de baixo)
Pratica umas escalas só com a mão direita, ela desembesta a correr, vc vai ver. Espero ter ajudado um tiquinho que seja. Pelo menos para romper o ciúme entre as duas.
Gostei muito do seu blog, já sou seguidora.
Beijos,
Nati

Leandro Wirz disse...

Confesso-me duplamente invejoso: sou destro, mas queria ser canhoto, acho um charme; adolescente, aprendi violão e teclado, mas fui um completo fiasco como pretendente a músico.

Carol Nogueira disse...

Dandara, acho que você captou a mensagem - não é só das mãos que a gente está falando. ;o)
Natascha, você me dá inspiração pra prosseguir com suas imagens. "A parte de cima" e "a parte de baixo" são figuras preciosas!
Lêêê: fique só unicamente invejoso, então, porque eu também sou um fiasco musical. Mas um fiasco com algum entusiasmo. ;o)
Beijos em todos!

Ana Clara disse...

Se é para tocar o violão dos destros, prefiro levar o meu próprio a tiracolo pela eternidade...

Nada como tocar um violão invertido e se sentir o próprio (ou "a própria") Jimi Hendrix.