segunda-feira, junho 27, 2011

Uma coisa bem simples



Um amigo de infância se matou quando nós dois tínhamos vinte e poucos anos. Tínhamos compartilhado coisas demais dos nove aos treze para que isso não me marcasse pra sempre, estávamos distantes demais para que eu pudesse entender porque. Por que? Por que?

Existem motivos que expliquem? Ainda que eu tentasse muito, eu conseguiria adivinhá-los nos desenhos fantásticos, nas redações sonhadoras que me aproximaram dele, lá na terceira série?

Hoje quando chegava com o João na cais da estação Havre-Caumartin, ouvi gritos muito fortes. De repente uma correria, gente correndo na nossa direção, as mãos no rosto. Um homem se jogou!, um homem se jogou!, gritava alguém.

Peguei o João no colo e dei meia-volta. Saí da estação abafada e no calor de trinta e cinco graus que fazia lá fora meu coração estava gelado. Nem a imagem do corpo que eu não vi, nem o alarme que ressoava,  nem uma parisiense que, me lembraria depois, comentava "tant pis, o que é certo é que não vai mais ter trem tão cedo".  Eu não pensava em nada disso - só me perguntava por que?, por que?, num dia como hoje?, que dores são essas?, quais são essas angústias?

Olhando pra uma menininha que se refrescava num sorvete, o João me pediu um igual. Era hora do jantar dele, eu estava atrasada - mas eu dei um sorvete de chocolate pro meu filho. Porque era uma coisa bem boa, bem feliz e bem simples que eu podia fazer. 

7 comentários:

José Fernando disse...

Pequenas soluções para grandes problemas. Normalmente fazemos o inverso. Parabéns.

Miss G. disse...

Li o teu post e em seguida esta notícia...
http://extra.globo.com/noticias/mundo/beijo-de-desconhecida-evita-que-jovem-chines-cometa-suicidio-2119843.html

Eu tb acho que sorvete de chocolate resolve tanta coisa.....

Caso me esqueçam disse...

sabia nem o que comentar num post desses. o joao falou bem...

Leandro Wirz disse...

belo e comovente texto. a gente deve fazer as coisas mais simples que nos façam felizes. a vida é isso, uma coletânea de hojes felizes.

Avassaladora disse...

Tô com Miss G., o sorvete resolve tantos problemas!!!!
Fiquei pensando aqui que se fosse eu no seu lugar não sei como resolveria... talvez não tivesse a mesma presença de espírito.

Ana Chalub disse...

difícil mesmo entender o porquê. os porquês. jamais entenderei.

você foi sábia e deu ao seu filhote um momento feliz - que é das coisas mais importantes da vida! como disse o leandro, a vida são hojes felizes.

Felipe disse...

Esse seu amigo de infância estudou comigo também, dos 14 aos 17 anos. Convivemos muito mesmo no segundo grau e depois também na Unb. Lembro de muitas frases dele, de boas risadas que demos juntos e até hoje não entendo o que levou o cara a fazer isso. De toda forma, você sente muito a falta dele nos momentos em que ele "deveria" estar ali, como encontro de amigos, passeios de bicicleta e coisas do tipo.

Mas, mesmo sendo agnóstico, graças a deus, tenho certeza que ele tá bem onde estiver. A energia dele era muito boa.

E sobre a sua situação ai no metrô, muito dificil saber o que fazer.

Ja fui cortar o cabelo na 207 sul, quando era moleque e morava lá. Quando tava voltando pro bloco, tinha um menino morto no chão do predio da frente. tinha se jogado do sexto andar uns dois minutos antes, porque tinha levado uma bronca do pai ao reprovar a quinta se´rie... Foda demais!!