terça-feira, julho 03, 2007

Ele e o violão

Todos os acordes dele têm uma clareza absurda. Os dedos apertam as cordas para fazer as notas de pestana mais ou menos com a mesma dificuldade com a que eu como um moelleux de chocolate quentinho. Desde que eu me entendo por gente, minha casa de repente é invadida por aquele sonzinho dedilhado, a voz ao mesmo tempo grave e suave acompanhando, ele me apresentando alguma música nova ou insistindo nas mesmas de sempre. Esse é meu pai. Ele e o violão dele. Ele compõe, sabe? Desde pequena que eu choro quando escuto uma música dele saindo do forno. E gosto também quando ele toca as músicas dos outros, Felinto, Pedro Salgado, marinheiro só e as outras todas. O repertório novo, que na minha infância ele tirava de umas revistinhas vagabundas em papel-jornal (insistindo, que chato, pra gente cantar com ele), hoje ele consulta num livro verde velho, despencado e desfolhado, os óculos equilibrados na pontinha do nariz. Pois eles todos – óculos, livro, violão e pai – andam aqui em casa por esses dias. Deitando os meninos no berço, depois de mais uma luta heróica contra o sono, escutei outro dia aqueles mesmos acordes familiares, embalando o soninho dos pequenos com a mesma ternura que há até pouco tempo embalava o meu também. Pensei em tudo o que vivi com ele, em tudo o que sonho viver com eles e em como é mágico isso de ser mãe e ser filha ao mesmo tempo. Que sorte, mas que sorte a minha.

19 comentários:

Dante Accioly disse...

Que liiiiiiiiiindo!!!!!!! Agora eu chorei! Manda um beijão pro teu pai!!!!!!! Saudade docês! Bora se falar de novo? Beijo!

Anônimo disse...

Que injustiça, mas que injustiça você fez. Meus olhinhos tbem brilharam de um jeito diferente, cheiínhos das lágrimas que insisti em segurar. pense numa saudade. um beijo, te amo! sá.

Anônimo disse...

Sorte a minha também que li esse texto tão lindo! Beijos a todos! Ana Cristina

Eliane disse...

Essas lembranças que você tem do seu pai com o violão eu tenho do meu pai com um cavaquinho... amiga, que vontade de dar um cheiro nesses dois pimpolhos!

Li

Carolina Jardon disse...

Que sorte, Carol, que sorte mesmo. Parabéns! Beijos no seu pai :)

Felipe Campbell disse...

Seu pai é nota 10. Só podia sair de um cara tão bacana quatro meninas tão prendadas, iluminadas e lindas como vocês.

Ah, vc foi a segunda na ordem cronológica, mas, apesar de adorar as outras todas, vc é a número 1 pra mim, viu?

Beijo enorme com saudadeeee!!!

Padu disse...

A habilidade de seu pai em melhorar o mundo, colocando mulheres (sempre mulheres) lindas e talentosas, essa eu já conhecia; a destreza com o violão sim foi uma surpresa.

Mais agradável que essa surpresa só ler mais um de seus textos, sempre maravilhosos.

AnaLu disse...

se qualquer coisa tem me feito chorar ultimamente, imagina um texto lindo desse...

Anônimo disse...

Fiquei emocionado, Carol. Meu pai também anda pendurado num violão de uns anos pra cá.

Manda um abração pro meu novo amigo, o seu Márcio. :)

Beijocas

Daniel

Papoula disse...

Meu Deus.
Sem palavras, Carol.
Essa família é simplesmente maravilhosa.
Abraços pra todos. Curta o momento !!!

Anônimo disse...

saudade dele...
que exemplo, o que tivemos, né???
Ju.

dedé disse...

ai gente! pára de fazer todo mundo chorar, carol!

Pequena disse...

Carol,
Lindo texto... realmente enche os olhos de pura sensibilidade!
bjs a família,
Bárbara

RH disse...

Saudade, linda...
Agora, estou na onda do blog também...
Cheiro

Lu disse...

Carol...
Seu texto, 'Além de tudo/ Me deixou mudo/ Um violão'.
Vou pensar duas vezes antes tocar de novo (ou me inspirar mais ainda!).
Que lindo! Reverências, saudades e beijos pro Quarteto Armorial!

Tatey disse...

Amiga do coração!!!!

Que coisa linda seu blog novo (ou não tão novo assim...)!!! Eu ainda não conhecia, mas entrei pelo do Daney e achei a coisa mais fofa. Tô com uma mega saudade de vc e foi tudo de bom ler seus textos de novo. Amei!!!
TE AMO!!
Mil beijos!!
Tatey

Mayra disse...

queridíssima, só agora descobri seu novo blog... e babei!! li de cabo a rabo. fiquei até relembrando meu curto período em paris, essa cidade linda!!

estou com saudades da família feliz. eu e jover falamos frequentemente em voltar a paris, o quanto antes. essa cidade conquistou a gente.

quanto ao violão do seu pai, nada melhor que um presente lindo como esses, não?? aproveite, querida. aproveite porque a vida é feita de momentos breves.

beijão.

mayra

Anônimo disse...

Carol,

Bom acompanhar um pouco da vida de vocês por aqui. Não posso fugir da regra: você me fez chorar!

Lula

Kia disse...

Pela genética minha linda voce vai ser mãe, filha e também avó. Pode ir conservando este violão e colocar os meninos para aprenderem a tocar, pois vão tocar com o avô enquanto voce embala seus netinhos.
Beijos