segunda-feira, novembro 09, 2009

Questão de foco

A vida é mais ou menos a mesma, o que muda é o jeito que a gente olha pra ela.

Que em começo de namoro a gente também faz supermercado e sobe dois andares carregando peso. Faz tratamento de dente, assina papel chato, paga conta atrasada, reconhece firma em cartório, resolve pendengas com empregada, manda e-mails aborrecidos. E muito mais, só que nem nota.

O que acontece é que de vez em quando essas chatices cotidianas acham de sair da coadjuvância eterna a que deveriam estar condenadas para virar protagonistas da nossa história.

Daí você brinca com seu filho pensando no email chato, desenha planejando a reunião insuportável que terá daí a dois dias, almoça e janta as cinco filas que terá de enfrentar para dar entrada em um papel, se espreguiça no sábado de manhã em plena sala de espera do médico que nunca chega com menos de duas horas de atraso.

Não custa nada o curso que você decidiu fazer virar mais uma obrigação, os quilos que você quer emagrecer virarem obsessão, a terapia virar um jeito estúpido de gastar fortunas. Só muda o foco.

7 comentários:

Mariana disse...

adorei o texto Carol!
bjus!

Sagesse disse...

Oi, tudo bem? Eu simplesmente adorewi o texto. Dá vontade de imprimir e colocar nomural do quarto! Posso citar partes dele no meu blog, claro, indicando a autoria? Obrigada.

Beijos.

jana disse...

Disse tudo! Estou bem nesse momento! kkkkk

RC disse...

Então a dica é manter-se sempre em começo de namoro!!!

Felipe Martins disse...

Isso se chama acomodação. Ou, conforme eu comparei uma vez no meu site, o nível de "funcionalismo público" que algumas relações às vezes atingem.

Beijocas!

Mari disse...

hahahah! curti! beijao!

Miss Blueberry disse...

Olá, é a Sagesse q escreveu aí em cima. Acabei colocando seu texto no meu outro blog, em que eu com este perfil.

Obrigada, vi? Por autorizar a publicá-lo e pelas palavras, que me ajudam muito.

Beijos.