quarta-feira, novembro 17, 2010

Minha irmã


A culpa é dela. Dessa moça aí da foto.

Tenho mil coisas para contar, desenhos para terminar, ideias para executar. Mas agora não dá. Agora eu sou da Sá.

Temos ainda litros de chá para tomar, todos os restaurantes que eu anotei mentalmente com um post-it "irmãs" para visitar, a vida de todos os nossos conhecidos (ainda que muito superficialmente conhecidos) para dissecar e duas ou três receitas para executarmos juntas. Sem falar nos nossos planos de empreendimentos que nos farão, evidentemente, milionárias.

No meio tempo, claro, vamos quebrar mais alguns paus além dos que já quebramos e, pela bilionésima vez, eu vou ter de explicar muito bem explicadas todas as minhas inúmeras teorias sobre relacionamentos, que ela (sem a menor noção do perigo) chama de "as suas verdades absolutas".

Eu falo tanto com ela que não sobra assunto pra cá.

Então, se este blog congelar esta foto pela próxima semana, já sabem: a culpa é dela.

PS: Sobrou um assunto, na verdade. Esse chá incrivelmente incrível que a gente tomou em Bruges. O Tea Flower vem todo enroladinho e, enquanto infunde, desabrocha numa flor linda, assim que nem o amor de irmãs que se amaram e se arrancaram os cabelos desde o berço - uma história, aliás, que eu vejo se repetir aqui embaixo dos meus olhos com dois rapazinhos que eu conheço.

PS 2: Sim, Felipe, este é um post "te amo, irmã".

13 comentários:

déborah disse...

que lindo! que linda! e que vontade de tá aí junto com vocês, acabando com todos os assuntos do blog!
te amo, irmãs!

ricardo disse...

puxa, legal mesmo !

Anônimo disse...

Carol,
quer ser minha irmã??


beijooo rsrs

Agathaaa

Anônimo disse...

Minha Querida, é você quem é a minha florzinha!! Linda, cheia de habilidades (incluindo a incrível função acalmadora de gêmeos!), com um coração enorme e sempre disposta a entender o mundo ao redor; mesmo que não seja o seu. Que sorte a minha, hein? Temos mesmo litros e litros de chá pra tomar na sua porcelana inglesa chiquééérrima, sola de sapato barato pra gastar por aí, risadas pra distribuir e, no meu caso, muitas rugas para alimentar com as minhas caras de "como é que é"? Mas é disso que eu falo, Mana, quando digo que vir pra cá não tem preço. É por mim, sabe, porque ter você como companhia é alegria demais pro meu coração - e é isso mesmo: eu no máximo te divido com uma ou duas amigas sua, só pra elas saberem o quanto eu sou feliz! Um beijo do tamanho do céu, te amo com o coração todinho! Sá.

Felipe disse...

Amo essas garotas todas elas!!!

Só não fico com ciúme porque é impossível ela ter tratamento melhor do que eu tive quando por aí estive. :)

Anônimo disse...

Que inveja...

Leandro Wirz disse...

Texto bonito pacas.
Feliz da Sà.

Renato disse...

Carol, ter irmãos para conversar e até quebrar o pau é um privilégio. Feliz de ambas.

Bailarina disse...

Deve ser mania de irmãs imaginar empreendimentos mirabolantes e pensar que com isso vão ficar milionárias! rs Ser e ter irmãs não tem preço! Quisera eu dividir com as minhas umas tardes em Paris! Fofas vcs duas! Bjs sabor dulce de leche!

Anônimo disse...

Carol, conheci seu blog pelo Noblat e tenho acompanhado porque acho super bacana!!
Sou jornalista, moro em Nova York e acabei de lançar meu blog. Queria te passar o link, para quando você tiver um tempinho!! Bjos!

http://linhany.blogspot.com/2010/11/um-abraco-apertado.html

Ju disse...

Ei mana, devolve nossa irmã pra Brasília...
E vem logo você também...
Não paro de pensar em tudo isso ao quadrado, a partir de 15 de dezembro...
Love U.
Ju

La petite fourmi disse...

aaaah descongela ai, vai!!!

lucila disse...

ô inveja da Sabrina ;-)

Amiga, aproveita bastante a sua irmazinha aih.

Morro de saudades de voces. Sabe gostar sem explicacao?

Beijo bem brade,
Lucila