segunda-feira, maio 16, 2011

A vontade



Era aquele diálogo-padrão de hora do almoço, mas sempre cabe uma pseudo-filosofia.

- Eu não quero mais comer.
- Ah, quer, sim. Você ainda nem terminou o blablablaaaaaaaa...

E então ele me olhou com um ar mezzo-confuso, mezzo-indignado:

- Mamãe, eu não quero mais.

Na ênfase com que ele pronunciou essa palavra, eu entendi que eu poderia fazer o que quisesse - eu poderia amarrá-lo num tronco de árvore e gavar comida goela abaixo, ou recorrer às chantagens emocionais mais indignas lembrando do amor empregado em cada grão de sal - nada disso mudaria o fato de que ele não quer mais comer.

Nem o fato de ele de fato comer mudaria isso. Porque podem até nos sujeitar, mas a nossa vontade a nós pertence.

Isso posto, claro, passamos à sobremesa.

6 comentários:

Leandro Wirz disse...

soberanas são a vontade e a liberdade.

malu disse...

Adorei!

Lara disse...

"soberanas são a vontade e a liberdade." (2)
;D

Anônimo disse...

Ou com diriam os japoneses, existe um segundo estômago... o estômago para a sobremesa...Bisous, Sarah

Renato disse...

Personalidade.

Carol Nogueira disse...

Concordo com todos - principalmente com a Sarah. ;o) Beijos em todos.